COMO SER APROVADO NA BALANÇA DE DEUS.

Pesado foste na balança e achado em falta. Daniel 5.27

 

Há dois meses eu venho correndo na lagoa do Taquaral, pelo menos três vezes por semana. É interessante ver o ritual de quem termina o exercício: a pessoa faz um rápido alongamento e vai para um pequeno quiosque onde há uma balança eletrônica. Aquele é um encontro devastador. Dali, poucos saem satisfeitos, uns tristes, outros indignados.

E você? Está satisfeito com o seu peso?

Olha, se você for uma pessoa normal, certamente vai dizer que gostaria de fazer alguns ajustes – para mais ou para menos. A balança não mente. Ela diz como você está. Muitos nem sobem mais pra não ficarem desesperados.

 

Mas hoje vou lhes falar de uma balança da qual ninguém pode fugir – a Balança de DEUS. Todos nós, cedo ou tarde, estaremos subindo ali para sermos pesados. Hoje você vai saber como ser aprovado na Balança de DEUS.

 

Hoje você vai conhecer a história de um homem que teve um encontro dramático com essa balança. Ele é Belshazzar, um neto do famoso Nabucodonosor, rei da Babilônia, que viveu no VI Século antes de Cristo.

 

Babilônia (Portal dos deuses) é considerada mais impressionante metrópole da antiguidade. A cidade começou a ser edificada nas imediações da Torre de Babel (Gn 11) pelo rei Sargão I (2350 a.C) às margens do rio Eufrates. Mas foi Nabucodonosor quem a tornou inigualável na Antiguidade.

 

A principal entrada da cidade era o Portal de Ishtar (deusa do amor e da guerra). Esse portal media 12m de altura, feita de tijolo esmaltado com figuras de tigres, leões e touros em relevo.

Passado o portal, havia uma avenida pavimentada de pedra calcária de 1km de extensão, a Avenida da Procissão, que era cercada por um muro decorado com 120 leões, 575 dragões e touros.

O historiador grego Heródoto (640 a.C) afirma que a cidade era um quadrado perfeito (24km cada lado), cortada ao meio pelo rio Eufrates. Era cercada por 2 muralhas (a externa deixava passar um carro com 4 cavalos) e 250 torres que se elevavam até 90m, 100 portões de bronze.

Babilônia era abastecida por um complexo sistema de canais e aquedutos; Nabucodonosor construiu um palácio onde mandou plantar um jardim suspenso para homenagear sua esposa; as casas da cidade eram de 3 ou 4 andares.

A construção mais alta da cidade era o “Zigurate”(torre-templo) dedicado ao deus “Marduque” (touro do sol); a maioria da população era de caldeus, mas muitos nobres de povos conquistados eram levados para lá afim de aprenderem o idioma, a cultura, a religião e administração babilônica (como Daniel e seus 3 amigos Dn 1.4,5) - um tipo de universidade internacional do império caldeu.

 

Todo esse patrimônio agora é administrado por Belshazzar, que na verdade nem é mesmo o rei, mas o príncipe da Babilônia. Seu pai, Nabônidas é o rei, mas está sempre ausente. Então, é seu filho quem comanda as coisas na capital do império.

 

Belshazzar, até onde se sabe, jamais lutou uma batalha, nem sequer uma, jamais construiu um celeiro, uma ponte, um palácio, jamais acrescentou coisa alguma ao patrimônio que seu avô lhe deixou, herdou tudo de graça, na faixa.

Mas numa coisa, Belshazzar ultrapassou de longe Nabucodonosor - na arrogância.

 

Seu avô, Nabucodonosor, aprendeu da maneira mais trágica possível, como DEUS resiste aos soberbos, mas aos humildes concede a sua graça. Foi arrancado do trono, enlouqueceu completamente, viveu durante alguns meses como um animal do campo, até que reconheceu o seu pecado e foi restaurado à sua glória anterior.

 

Mas para Belshazzar, isso é passado, o importante é viver grandes emoções.

Belshazzar é jovem ainda, cheio de si mesmo, gosta de se fazer notado, quer ser uma celebridade a todo o custo.

 

No Capitulo 5 da Profecia de Daniel está o registro da sua vida.

A primeira grande única realização de Belshazzar é um banquete. Não é uma celebração por alguma conquista notável, ou por um grande acordo entre nações, ou por um casamento. Não, é um banquete para deixá-lo no centro das atenções.

Vamos imaginar como tudo isso pode ter acontecido.

 

Certo dia Belshazzar chamou o seu principal assessor e disse:

- Veja bem, estive pensando, meu pai ta sempre viajando, eu fico aqui nessa mesmice. Majestade pra cá, majestade pra lá. É preciso agitar as coisas, não agüento mais essa monotonia. Vamos dar uma festa, mas aquela festa, a maior que esse pedaço do mundo já viu. Prepare a maior sala do Palácio, compre a melhor e mais rica decoração, contrate os melhores músicos, os mais famosos dançarinos, os vinhos mais caros e finos, o melhor chef de cozinha, e mande convidar 1000 governadores e nobres.”

 

Os mensageiros saíram imediatamente, e a notícia logo se espalhou. Todo mundo só falava no tal banquete real. A todas as cidades, províncias e repartições do império chegavam os convites. Em poucos dias, centenas de caravanas começavam a viagem para a Babilônia.

 

No dia do banquete, a cidade inteira estava em festa.

O Portal de Ishtar foi aberto e os convidados entravam pela Avenida da Procissão. As ruas estavam todas enfeitadas, as casas ornamentadas, o povo nas janelas das casas acenando e saudando os convidados e autoridades. Carruagens luxuosas, trazendo embaixadores, generais de exército, oficiais, governadores, grandes comerciantes não paravam de chegar. Vestimentas multicoloridas eram vistas em toda a parte. A cidade era uma festa só.

 

O dia foi passando, a noite chegou e o palácio foi completamente tomado pelos convidados. Os empregados acendem as tochas, a orquestra começa a tocar, flautas, harpas, tamborins, címbalos, cantores, dançarinos e dançarinas tomam o centro do salão.

A certa altura, uma trombeta é ouvida – o arauto proclama a chegada do rei ao Baile:

– Belshazzar – Mestre da Riqueza, Rei de Babilônia, está no salão.

Todos se curvam e saúdam o monarca. Então começa oficialmente a festa.

Centenas de serventes saem pelos quatro cantos da sala do banquete oferecendo vinho farta e generosamente.

As mesas estão repletas de carne assada, frutas, as mais diversas iguarias da gastronomia babilônica.

À medida que a noite avança, os convidados vão ficando mais excitados e descontrolados. A inocente alegria do início da festa dá lugar à anarquia. A nudez, a sensualidade, a imoralidade tomam conta da festa.

Mas à certa altura do banquete, Belshazzar completamente enlouquecido pela bebedeira, chama um dos seus servos e lhe dá uma ordem aviltante:

- Agora eu quero beber nos cálices de Jerusalém! Vá logo e pegue os cálices de ouro e prata que meu avô Nabucodonosor trouxe de Jerusalém.

 

Cálices de Jerusalém - que cálices são esses?

Quando DEUS mandou fazer o Tabernáculo, havia uma série de rituais sagrados, ofertas santas a DEUS. Todos os utensílios para esse trabalho eram feitos de ouro puríssimo e consagrados a DEUS.


Fez também de ouro puro as vasilhas para a mesa, isto é, os pratos, os copos, as taças e as jarras que eram usados para as ofertas de vinho. Êxodo 37:16 

 

Pois bem, quando Nabucodonosor invadiu Jerusalém levou todos esses objetos sagrados e os guardou no Templo de Marduke em Babilônia. Eram como troféus de guerra.

Mas isso era pouco para Belshazzar. Embora tivesse milhares de taças de ouro e prata à sua disposição, ele queria mais.

Ele queria celebrizar a sua zombaria sobre o DEUS de Israel.

 

Em poucos minutos, os Cálices do SENHOR, estão nas mãos daquele rei hediondo e insolente, dos seus governadores e oficiais, comerciantes, e até das mulheres e concubinas. As Taças Sagradas estão ali, não para levarem ofertas a DEUS, mas embebedar ainda mais aquela gente.

 

Mas isso ainda não era suficiente. Belshazzar queria ir mais longe. Não bastava usar os Utensílios da Casa de DEUS para seu próprio prazer. Ele queria afrontar, desafiar, disputar com o DEUS de Israel.

Assim, numa atitude de desprezo sem precedentes, Belshazzar propõe um brinde aos deuses da Babilônia. Quem são esses deuses? A quem Belshazzar saúda enquanto bebe nas Taças de DEUS?

Baal, mestre do mundo, senhor da Terra;

Anu, deus do céu;

Ae, deus da sabedoria;

Sin, o deus da lua;

Shamash, deus do sol;

Ishtar, a deusa do amor;

Marduke, o senhor de Babilônia;

Nabu, o deus da vegetação;

Nergal, deus das profundezas;

Ninib, o deus da cura;

Rammam, deus da tempestade e do trovão;

Tammuzz, deus da renovação da terra;

Asshur, deus dos deuses da terra.

 

Quão longe pode ir um ser humano antes que o Cálice da Ira de DEUS se extravase?

Belshazzar testou o limite da paciência de DEUS.

 

O que fará o SENHOR com Belshazzar?

Abrirá as comportas do céu e afogará Babilônia como fez com Faraó do Egito no dia em que perseguia os Israelitas por dentro do Mar Vermelho?

 

Fará cair fogo e enxofre do céu e queimará toda a cidade, o rei e seus convidados?

 

Enviará ele um de seus anjos destruidores com uma espada de fogo e ferirá todos moradores da cidade como fez com o exército Assírio quando Senaqueribe afrontou o SENHOR de Israel?

 

Ordenará que a terra abra a sua boca e engula o rei e seus comparsas e os leve para o fundo do abismo, como foi no dia da rebelião de Corá, Datã e Abirão diante de Moisés?

Não, DEUS faz isso de uma maneira literalmente assustadora.

 

No meio da noite, no auge da loucura de Belshazzar, DEUS intervém. Veja em Daniel 5.5-6:

De repente, apareceu a mão de um homem e ela começou a escrever na parede branca do salão do banquete, num lugar iluminado pela luz do candelabro. Ao ver a mão, o rei não sabia o que pensar; ficou pálido de medo e começou a tremer da cabeça aos pés. Dn 5.5-6

 

Gosto dessa seqüência – uma parede branca, preparada para ser escrita, um candelabro acesso para iluminar a parede, e ‘dedos de mão’, de uma mão sem braço, escrevendo silenciosa e firmemente 4 sinais totalmente desconhecidos.

 

Imediatamente o ambiente muda. A  música pára, os tambores silenciam, a gritaria e a danação emudecem. Olhos esbugalhados de todos os cantos se voltam para aquela parede.

O rei de Babilônica está transtornado. Isso não faz parte do show do banquete.

Seu rosto está pálido, suas pernas tremem, os joelhos batem um no outro.

Belshazzar, o homem que comanda o mais poderoso exército da terra, cercado das maiores riquezas e tesouros que se tem noticia, rodeado de todos os seus melhores amigos, está apavorado.

Imediatamente Belshazzar ordena que compareçam à sala do banquete todos os seus adivinhadores, astrólogos e sábios:

—Aquele que ler o que está escrito na parede e me explicar o que quer dizer será vestido com roupas de púrpura, receberá uma corrente de ouro para pôr no pescoço e será a terceira autoridade mais importante no meu reino. (Vs 7)

 

Babilônia o centro da Intelectualidade mundial. Fala-se todos os idiomas da terra. Gente do mundo inteiro vive lá. Todos os professores de Línguas estrangeiras, cientistas e eruditos estão diante daqueles 4 sinais, mas tudo é um completo mistério.

 

- O que está escrito? Que significa isso, vocifera o rei Belshazzar, mas ninguém lhe responde nada. Eles nunca algo parecido com aquilo. Um por um vão abandonando a escritura na parede.

A essa altura o temor é generalizado, até os generais estão aterrorizados.

 

Nesse momento, a mãe de Belshazzar lhe fala de Daniel, um sábio que tem o espírito dos santos deuses, que interpretou um sonho terrível do seu avô Nabucodonosor.

- O nome dele é Beltshassar... pensa com muita clareza; ele é sábio e inteligente e pode interpretar sonhos, explicar coisas misteriosas e resolver assuntos difíceis. Portanto, chame Daniel, e ele explicará o que está escrito na parede.

 

Em poucos minutos Daniel é levado a presença do rei.

- Daniel, você está vendo esses sinais na parede? Nenhum dos sábios da babilônia sabe o que está escrito aí.

Portanto, se você puder ler o que está escrito e me explicar o que quer dizer, você será vestido com roupas de púrpura, receberá uma corrente de ouro para pôr no pescoço e será a terceira autoridade mais importante do meu reino. (v. 16)

 

Daniel responde: - Olha, eu vou fazer isso de graça, pode dar essa recompensa pra outro.

Então Daniel começa a dar uma mensagem de DEUS ao rei de Babilônia:

 

Ó rei! Deus, o Altíssimo, deu a Nabucodonosor, teu pai, o reino e grandeza, glória e majestade.

Por causa da grandeza que lhe deu, povos, nações e homens de todas as línguas tremiam e temiam diante dele; matava a quem queria e a quem queria deixava com vida; a quem queria exaltava e a quem queria abatia.

Quando, porém, o seu coração se elevou, e o seu espírito se tornou soberbo e arrogante, foi derribado do seu trono real, e passou dele a sua glória. Foi expulso dentre os filhos dos homens, o seu coração foi feito semelhante ao dos animais, e a sua morada foi com os jumentos monteses; deram-lhe a comer erva como aos bois, e do orvalho do céu foi molhado o seu corpo, até que conheceu que Deus, o Altíssimo, tem domínio sobre o reino dos homens e a quem quer constitui sobre ele.

 

Tu, Belsazar, que és seu filho, não humilhaste o teu coração, ainda que sabias tudo isto. E te levantaste contra o Senhor do céu, pois foram trazidos os utensílios da casa dele perante ti, e tu, e os teus grandes, e as tuas mulheres, e as tuas concubinas bebestes vinho neles; além disso, deste louvores aos deuses de prata, de ouro, de bronze, de ferro, de madeira e de pedra, que não vêem, não ouvem, nem sabem; mas a Deus, em cuja mão está a tua vida e todos os teus caminhos, a ele não glorificaste.

Então, da parte dele foi enviada aquela mão que traçou esta escritura. Esta, pois, é a escritura que se traçou: MENE, MENE, TEQUEL e PARSIM. Esta é a interpretação daquilo:

MENE: Contou Deus o teu reino e deu cabo dele.

TEQUEL: Pesado foste na balança e achado em falta.

PERES: Dividido foi o teu reino e dado aos medos e aos persas. (vv. 19-28)

 

Poucas horas depois destas palavras, Belshazzar, o rei de Babilônia foi morto. Sabe como? Raio do céu? Uma praga? Um ataque cardíaco? Não. Foi morto pela espada de Dario, rei dos Medos.

Dario tentava há meses invadir a cidade. Mas ela era quase impenetrável. Talvez tenha Dario ouvido falar do banquete do rei. Imaginando que todos estariam se divertindo, bêbados e distraídos, Dario planejou algo que é considerado uma das mais bem sucedidas estratégias de guerra da antiguidade.

Dario fez com que o seu numeroso exército, represasse as águas do grande rio Eufrates, que entrava na cidade por debaixo das muralhas. Quando as águas do rio diminuíram, Dario entrou furiosamente com milhares de soldados e conquistou a poderosa Babilônia.

 

Belshazzar foi pesado na balança de DEUS e foi achado em falta. Foi aferido e faltava nele alguma coisa. Era rico e abastado e não precisava de coisa alguma, mas na balança de DEUS, foi reprovado. Era poderoso e influente, mas na balança de DEUS foi desclassificado.

 

Pode alguém ser aprovado na Balança de DEUS?

Ora, o nosso problema com DEUS está em quem ele é e como ele pensa.

Na balança humana, você é medido pelo que você carrega, quão pesado você está. Mas na Balança de Deus você é medido pelo que falta para alcançar o padrão de DEUS.

Para ser aprovado por DEUS, uma pessoa precisa ser perfeita, em tudo, porque DEUS é perfeito. Na Balança de DEUS, a pessoa tem que ser apresentar perfeitamente justa, perfeitamente santa, perfeitamente verdadeira, porque DEUS totalmente justo, puro e verdadeiro.

 

E nós somos exatamente o oposto do que DEUS requer. O Apóstolo Paulo mostra como a raça humana é vista aos olhos de um DEUS Perfeito:

 

“Não há uma só pessoa que faça o que é certo; não há ninguém que tenha juízo; não há ninguém que adore a Deus. Todos se desviaram do caminho certo, todos se perderam. Não há mais ninguém que faça o bem, não há ninguém mesmo. Todos mentem e enganam sem parar. Da língua deles saem mentiras perversas, e dos seus lábios saem palavras de morte, como se fossem veneno de cobra. A boca deles está cheia de terríveis maldições. Eles se apressam para matar. Por onde passam, deixam a destruição e a desgraça. Não conhecem o caminho da paz e não aprenderam a temer a Deus.” Romanos 3.10-18

 

O que mais me assusta nessa declaração do Apóstolo Paulo é a contundência dos pronomes ninguém e todos. Isso inclui Belshazzar, a mim, a você, e toda a raça humana.

Na Balança de DEUS, são contadas a verdade das nossas palavras, de todas elas. Na Balança de Deus são contadas as nossas atitudes, a motivação das nossas ações. Na Balança de Deus são contados os nossos pensamentos, todos eles. Na Balança de DEUS, não apenas o que fizemos, mas o que deixamos de fazer é levado em conta.

 

Diante dessa terrível realidade, certa vez os discípulos perguntaram a Jesus: - Sendo assim, quem pode ser salvo? (Lucas 18:26)

Sabe qual foi a resposta de Jesus?

“-Os impossíveis dos homens são possíveis para Deus.” (vs 27)

 

Entenda o que Jesus diz aqui: é impossível, não há chance alguma, não há mesmo salvação alcançada pelo esforço humano. Mas para DEUS, tudo é possível.

 

Há 3 atitudes que você pode buscar para escapar do julgamento da Balança de DEUS.

 

 

 

I.                 BUSQUE UM SINCERO ARREPENDIMENTO.

 

Jesus disse:

Lucas 5:32  Não vim chamar justos, e sim pecadores, ao arrependimento.

Arrependimento é uma mudança de direção, mudança de mente, mudança de atitude, mudança de coração, mudança de valores.

 

Nabucodonosor vivia como um animal selvagem, comendo capim, andando de quatro como se fosse um boi selvagem. Até que se arrependeu. Esse arrependimento aconteceu quando ele “conheceu que Deus, o Altíssimo, tem domínio sobre o reino dos homens e a quem quer constitui sobre ele.”

 

Durante muito tempo, Nabucodonosor pensou que era o Dono do Mundo, fazia o que dava na cabeça, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos. Foi necessário que o rei da Babilônia se tornasse como uma besta selvagem para que se arrependesse.

 

Agora, e você? Vai esperar que DEUS o leve para pastar com os animais do campo para que se arrependa de seus caminhos? Vai esperar que DEUS traga os exércitos de Dario sobre a sua vida para que você chegue ao ponto de reconhecer o governo de DEUS sobre a sua vida?

Ou desprezas a riqueza da sua bondade, e tolerância, e longanimidade, ignorando que a bondade de Deus é que te conduz ao arrependimento? Romanos 2:4 

 

O grande erro de Belshazzar foi desprezar a oportunidade para arrependimento: “Tu, Belsazar, que és seu filho, não humilhaste o teu coração, ainda que sabias tudo isto.”  

Belshazzar não considerava que houvesse alguém muito acima dele que o julgaria um dia.

Você pode buscar hoje mesmo um sincero arrependimento, isso o deixa melhor preparado para a Balança de Deus. O Apóstolo Paulo afirma:

Porque a tristeza segundo Deus produz arrependimento para a salvação, que a ninguém traz pesar; mas a tristeza do mundo produz morte. 2 Coríntios 7:10 

 

Você pode hoje mesmo repensar sua vida e pedir a DEUS que tenha paciência com você. Você pode pedir a ele que o faça sentir vontade de voltar para DEUS.

A primeira boa notícia da noite é que se você está aqui ouvindo essa mensagem, é porque DEUS lhe deu mais um prazo. Pedro afirma:

Não retarda o Senhor a sua promessa, como alguns a julgam demorada; pelo contrário, ele é longânimo para convosco, não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento. 2 Pedro 3:9 

 

Você viu? Nenhum pereça, todos se arrependam e vivam, e isso inclui você, a mim e qualquer pessoa aqui. Jesus disse: Tudo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora. (João 6:37)

 

 

II.            PONHA TODA A SUA CONFIANÇA NA JUSTIÇA DE CRISTO.

 

Durante toda a sua vida, Belshazzar acreditava que ele não precisava de ninguém. Ele era o neto do grande Nabucodonosor. Seu pai o havia confiado o governo da capital do Império. Ele era rico, poderoso, temido. Jamais imaginou que precisasse que alguém para ser salvo.

O que Jesus diria a Belshazzar? Pois que aproveitaria ao homem ganhar todo o mundo e perder a sua alma? (Marcos 8:36)

 

O que fez Belshazzar quando soube do seu destino? Ele mandou pagar Daniel. Como que dizendo: - eu disse que pagaria, vou pagar, detesto dever pra um vidente.

 

Agora, por que DEUS se deu ao trabalho de escrever MENE, MENE, TEKEL e PARSIN na parede do rei quando ele podia ter deixado a festa rolar até o momento em que Dario entrasse na cidade?

Pela mesma razão que DEUS mandou Jonas à cidade de Nínive, para chamar aquele povo ao arrependimento. DEUS sempre espera que os homens busquem nele a salvação.

 

Mas Belshazzar era arrogante demais, orgulhoso demais para confiar na salvação do SENHOR. Por isso Daniel falou: “...mas a Deus, em cuja mão está a tua vida e todos os teus caminhos, a ele não glorificaste.”

 

A Bíblia fala que DEUS escreveu três vezes com a sua mão. A Primeira, no monte Sinai, numa pedra, os 10 mandamentos. A segunda, na parede de Belshazzar, em Babilônia. A terceira, no chão do templo em Jerusalém, diante de uma multidão enfurecida, pronta para apedrejar uma mulher apanhada em adultério.

Quando Jesus terminou de escrever, não havia mais ninguém lá. Só Jesus e a mulher. Nesse momento, uma das mais inesquecíveis perguntas de Jesus foi feita:

 

Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou?

Respondeu ela: Ninguém, Senhor!

Então, lhe disse Jesus: Nem eu tampouco te condeno; vai e não peques mais.

 

Nem eu tampouco. Pois o Filho do Homem não veio para destruir as almas dos homens, mas para salvá-las. (Lucas 9:56)

 

Agora, pergunte como é que DEUS pode fazer que um pecador, injusto, maligno, mentiroso, impuro, avarento, assassino, seja pesado na Balança de DEUS e ainda seja aprovado?

Como é que DEUS, que é tão puro de olhos, que não pode sequer contemplar o mal, pode aprovar alguém na balança da sua perfeição?

Ora, isso é impossível aos homens, mas para DEUS tudo é possível. O Apóstolo Paulo diz como DEUS faz isso:

porque não há distinção, pois todos pecaram e carecem da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus, a quem Deus propôs, no seu sangue, como propiciação, mediante a fé, para manifestar a sua justiça, por ter Deus, na sua tolerância, deixado impunes os pecados anteriormente cometidos; tendo em vista a manifestação da sua justiça no tempo presente, para ele mesmo ser justo e o justificador daquele que tem fé em Jesus. Romanos 3.22-26

 

Observe bem o que DEUS, somente DEUS poderia fazer.

A única pessoa perfeitamente justa aos olhos de DEUS, é o seu próprio Filho, Jesus Cristo.

O que DEUS faz? Ele pega a infinita justiça de Cristo, a obediência perfeita de Cristo, a pureza absoluta de Cristo, e oferece como um presente gratuito aos pecadores arrependidos. Paulo afima: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus;” (Ef 2.8)

 

Você pode enfrentar a Balança de Deus de duas maneiras – com sua própria justiça, da qual a Bíblia diz não passa de panos imundos, ou pode subir na balança de DEUS revestido com a justiça de Cristo.

 

Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo; Romanos 5:1 

 

 

III.        GLORIFIQUE A DEUS – PARA ISSO VOCÊ FOI CRIADO.

 

Foi a última denuncia de Daniel contra Belshazzar: “...a ele não glorificaste.”

 

Quando DEUS fez o ser humano, deu a ele um maravilhoso propósito: honrar o DEUS Criador, amá-lo de todo o coração e reconhecer a grandeza, a soberania e o reinado de Jesus Cristo sobre todas as coisas.

 

Você sabe como é que DEUS vai dividir a raça humana no ultimo dia?

Nós costumamos diferenciar as pessoas pela sua raça, pela sua riqueza, pela sua beleza, pelo seu conhecimento. Pessoas são valorizadas pelo lugar onde moram, a cidade em que habitam, a empresa em que trabalham, pelo hospital onde se tratam, pelos amigos com que se relacionam, etc.

 

Mas DEUS la de cima vê a raça humana dividida em apenas dois grupos: os que o adoram em espírito e em verdade, e os idólatras, que adoram a si mesmos.

Os amantes de si mesmos, adoram seu carro, sua casa, seu dinheiro, seu emprego, seu divertimento. Os amantes de si mesmos, não tem tempo para DEUS, para assuntos espirituais, mas eles têm tempo para o que lhes dá prazer.

 

Belshazzar era amante de si mesmo, por isso quando foi colocado diante de DEUS, não havia nada nele que mostrasse que ele cumpriu o seu papel, o seu propósito como ser humano: não glorificou a DEUS, não levou DEUS a sério, não se importou com as realidades espirituais.

 

Há uma única maneira de não ser amante de si mesmo, é amar, adorar a DEUS. Jesus disse que DEUS procura adoradores que o adorem em espírito e em verdade.

 

Para ser uma pessoa aprovada por DEUS, você precisa ser o tipo de pessoa que DEUS procura. E DEUS procura adoradores.

 

Adoradores amam a Palavra de DEUS, amam os mandamentos de DEUS, amam o Evangelho de DEUS, as promessas de DEUS, os valores de DEUS, amam a verdade de DEUS.

 

A maior recompensa dos verdadeiros adoradores é ouvir uma palavra na boca de Jesus dirigida a eles:

Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo. Mat 25.34

 

 

Para Belshazzar, a palavra de DEUS era: pesado foste na balança e achado em falta. Mas para você é:

 

Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo. Apocalipse 3:20

 

 

Quero convidar você a vir a Cristo pedindo a Ele humildemente que lhe empreste graciosamente a Justiça Perfeita que Jesus obteve a preço de obediência, retidão e morte, morte de Cruz.

 

Venha a Cristo e peça que ele tenha misericórdia. Peça o verdadeiro arrependimento. Peça fé para crer inteiramente nele e no seu sacrifício na cruz. Venha a Ele comprometido a glorificar a DEUS, todos os dias da sua vida.